Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores Públicos Municipais em João Monlevade Ltda
POLITICA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

1. APRESENTAÇÃO             

 

1. A Política Institucional de Responsabilidade Socioambiental da COPREMON apresenta princípios e diretrizes que norteiam as ações socioambientais desta instituição no desenvolvimento de suas atividades, objetivando contribuir para a concretização do cooperativismo com desenvolvimento sustentável.

 

2. Os princípios e diretrizes que norteiam as ações da Cooperativa visam a prevenção e o gerenciamento de riscos e impactos socioambientais, bem como a busca de oportunidades de melhoria e participação das partes interessadas.

 

3. Para fins desta política, consideram-se os seguintes conceitos:

a) partes interessadas: cooperados, usuários dos produtos e serviços oferecidos pela Cooperativa, colaboradores, conselheiros/diretores, fornecedores e comunidade;

b) relevância: princípio que expressa o grau de exposição ao risco socioambiental das atividades e das operações financeiras da Cooperativa;

c) proporcionalidade: princípio que expressa a compatibilidade da presente política com a natureza e complexidade das atividades, serviços e produtos da Cooperativa.

 

2. DA POLÍTICA                     

1. O risco socioambiental será observado em todos os processos da Cooperativa, devendo ser incentivado o engajamento sustentável.

2. Os preceitos que norteiam esta política estão alinhados ao 5º e ao 7º princípios do cooperativismo, traduzidos, respectivamente, pela promoção da “educação, formação e informação” e pelo “interesse pela comunidade”.

3. As diretrizes que orientam esta política devem estar alinhadas com a missão, a visão, os valores e o Código de Ética da Cooperativa, e reafirmam o compromisso com o cooperado e com a sociedade.

4. São atribuições do Conselho de Administração da Cooperativa:

a) aderir e cumprir as diretrizes contidas nesta política e os procedimentos de gerenciamento do risco socioambiental regulamentados no Procedimento Operacional Padrão derivado desta política;

b) avaliar adequada e periodicamente os riscos socioambientais, com base nas métricas, nos métodos e nos limites regulamentados no Procedimento Operacional Padrão derivado desta política;

c) apreciar medidas mitigadoras de caráter emergencial propostas pela Diretoria Executiva da Cooperativa;

d) propor, com fundamento nas normas aplicáveis à política de responsabilidade socioambiental, o Procedimento Operacional Padrão derivado desta política e as revisões subsequentes.

 

3. São atribuições da Diretoria Executiva da Cooperativa:

a) aderir e cumprir as diretrizes contidas nesta política e os procedimentos de gerenciamento do risco socioambiental regulamentados no Procedimento Operacional Padrão derivado desta política;

b) coordenar a discussão, propor e aprovar, com fundamento nas normas aplicáveis à política de responsabilidade socioambiental, o Procedimento Operacional Padrão derivado desta política e as revisões subsequentes;

c) avaliar adequada e periodicamente os riscos socioambientais com base nas métricas, nos métodos e nos limites regulamentados no Procedimento Operacional Padrão derivado desta política;

d) coordenar e orientar a implementação da estrutura de gerenciamento do risco socioambiental na Cooperativa;

e) analisar os relatórios gerenciais emanados do responsável pelo gerenciamento dos controles internos da Cooperativa e adotar medidas para manter os riscos socioambientais nos padrões desejáveis;

f) informar ao Conselho de Administração da Cooperativa, situações que representem risco de desenquadramento dos limites regulamentados;

g) encaminhar para apreciação do Conselho de Administração da Cooperativa, medidas mitigadoras de caráter emergencial;

h) supervisionar o cumprimento desta política e do Procedimento Operacional Padrão derivado desta política;

i) manter programa permanente de controles internos que explicite as não conformidades no processo global de gerenciamento de riscos socioambientais da Cooperativa, recomendando medidas de aperfeiçoamento;

j) coordenar o programa de treinamento objetivando a capacitação dos profissionais da Cooperativa;

k) coordenar as campanhas de comunicação relacionadas à gestão dos riscos socioambientais;

l) atender, tempestivamente, as requisições encaminhadas pelas auditorias diretas e/ou indiretas, certificando-se da suficiência das informações a serem fornecidas;

m) adotar providências em situações que representem risco de desenquadramento dos limites regulamentados.

n) esclarecer dúvidas sobre a interpretação dos princípios e regras desta Política e de outras políticas relacionadas;

 

4. São atribuições do responsável pelo monitoramento dos controles internos da Cooperativa, bem como dos demais colaboradores, quando aplicável:

a) aderir e cumprir as diretrizes contidas nesta política e os procedimentos de gerenciamento do risco socioambiental regulamentados no Procedimento Operacional Padrão derivado desta política;

b) participar da discussão e da revisão desta política e do Procedimento Operacional Padrão derivado desta política, apresentando à Diretoria Executiva da Cooperativa, quando julgado oportuno, proposições de aprimoramento;

c) identificar e avaliar adequada e periodicamente os riscos socioambientais, com base nas métricas, nos métodos e nos limites regulamentados no Procedimento Operacional Padrão derivado desta política;

d) gerar relatórios, inclusive aqueles exigidos na regulamentação aplicável, que permitam a análise de riscos operacionais pela Diretoria Executiva da Cooperativa;

e) supervisionar o cumprimento desta política e do Procedimento Operacional Padrão derivado desta política dentro da Cooperativa, empreendendo as ações preventivas e corretivas, quando for o caso;

f) participar de treinamentos;

g) atender, tempestivamente, as requisições encaminhadas pelas auditorias direta e/ou indireta, bem como da Diretoria Executiva, certificando-se da suficiência das informações a serem fornecidas;

h) informar à Diretoria Executiva, sobre situações que representem risco de desenquadramento dos limites regulamentados;

i) encaminhar para apreciação da Diretoria Executiva da Cooperativa medidas mitigadoras de caráter emergencial;

j) evoluir, progressivamente, na implementação das diretrizes contidas nesta política;

k) incorporar, continuamente, os princípios desta Política aos processos da Cooperativa;

l) estimular o uso consciente dos serviços financeiros pelos cooperados.

 

5. A geração e o arquivamento de documentos resultantes da atividade de gerenciamento do risco socioambiental deve ser realizado em conformidade com os dispositivos legais e normativos aplicáveis.

6. No desenvolvimento de novo produto/serviço a ser ofertado pela Cooperativa aos seus cooperados devem ser identificados os riscos socioambientais potenciais, de forma a mitigá-los apropriadamente.

7. Complementam a presente Política e a ela se subordinam todas as normas e procedimentos operacionais que regulam a responsabilidade socioambiental, na Cooperativa.

 

3. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

 

1. Esta Política deve ser aprovada e revisada a cada 05 (cinco) anos pela Diretoria Executiva.

2. Na revisão desta Política devem ser considerados os apontamentos das auditorias direta e/ou indireta e as normas aplicáveis vigentes.

3. As normas legais prevalecem sobre esta Política, sempre que houver divergência ou conflito.

 

Política Institucional aprovada em reunião da Diretoria Executiva, realizada em 05/09/2018 - Ata nº 126.

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS EM JOÃO MONLEVADE LTDA
RUA PEDRO BICALHO, 234 - NOVO HORIZONTE - JOÃO MONLEVADE - MG
COPREMON 2014 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS